Receita arrecadou mais de 86 bilhões em junho de 2020

Fonte: Site da Receita Federal

A arrecadação total das Receitas Federais atingiu, em junho de 2020, o valor de R$ 86.258 milhões, registrando decréscimo real (IPCA) de 29,59% em relação a junho de 2019. No período acumulado de janeiro a junho de 2020, a arrecadação alcançou o valor de R$ 665.966 milhões, representando um decréscimo pelo IPCA de 14,71%.

Quanto às Receitas Administradas pela RFB, o valor arrecadado, em junho de 2020, foi de R$ 84.267 milhões, representando um decréscimo real (IPCA) de 29,32%, enquanto que no período acumulado de janeiro a junho de 2020, a arrecadação alcançou R$ 637.217 milhões, registrando decréscimo real (IPCA) de 14,91%.

O resultado tanto do mês quanto do período acumulado foi bastante influenciado pelos diversos diferimentos decorrentes da pandemia de coronavírus. Os diferimentos somaram, aproximadamente, 81,3 bilhões e atingiram o montante de 20,4 bilhões em Junho. As compensações cresceram 7,64% no mês de junho de 2020 em relação a junho de 2019 e também apresentaram crescimento de 33,59% no período acumulado. Destaca-se, ainda, que no período observaram-se receitas extraordinárias de IRPJ/CSLL que contribuíram para o resultado.

Clique aqui para acessar os relatórios do resultado da arrecadação.

APREENSÕES  – Já no primeiro semestre de 2020, a Receita apreendeu R$ 1,38 bilhão em mercadorias. O resultado nominal é cerca de 10% menor do que o registrado nos seis primeiros meses de 2019, e foi influenciado pela pandemia causada pelo novo coronavírus, que reverteu uma tendência de crescimento nas apreensões que vinha sendo registrada até março, quando os efeitos do vírus começaram a serem sentidos mais fortemente no Brasil.

A movimentação logística de aviões, navios e veículos terrestres apresentou uma considerável redução, diminuindo o ingresso de mercadorias tanto legais quanto ilícitas no País. O resultado foi um decréscimo na quantidade de operações de vigilância e repressão em relação ao realizado no primeiro semestre de 2019.

Novamente, as apreensões de cigarros falsificados ou introduzidos irregularmente no país responderam por grande parte mercadorias apreendidas. No total, foram retidos 92 milhões de maços de cigarros. A maior parcela dessas apreensões ocorreram na região da Tríplice Fronteira. A Delegacia da Receita Federal em Foz do Iguaçu, por exemplo, foi responsável por mais de 12% de todas as apreensões realizadas no País.

As apreensões realizadas pela Receita Federal ocorrem em suas operações de vigilância e repressão e nas análises de importações e exportações submetidas ao despacho aduaneiro. O objetivo das ações é proteger a indústria nacional e evitar a concorrência desleal, além de impedir a entrada de produtos lesivos à sociedade no país.

Produtos de circulação proibida tais como mercadorias falsificadas ou com potencial lesivo à saúde são destruídos, enquanto os demais produtos podem ser levados a leilão, doados a entidades beneficentes ou incorporados pelos órgãos públicos.

0 respostas

Deixe uma resposta


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *