Mídia repercute estudo do Sindifisco sobre defasagem da tabela do IR

Fonte: site Sindifisco Nacional

O estudo do Sindifisco Nacional sobre a defasagem de 103% na tabela do Imposto de Renda foi pauta nos principais veículos de comunicação do país nos últimos dias. O índice atualizado foi divulgado em primeira mão na sexta-feira (10/01), pelo canal GloboNews, com entrevista do presidente da entidade, Kleber Cabral. O Jornal Hoje e Jornal Nacional, ambos da Rede Globo, também exibiram reportagens sobre o tema, reproduzindo a entrevista com o presidente do Sindifisco. O estudo ganhou repercussão nacional, com espaço em diversos canais de comunicação.

“Correção isentaria quem recebe até R$ 3.881 de pagar Imposto de Renda”, destacou a manchete do Portal R7, explicando que, se a tabela tivesse sido atualizada pela inflação acumulada, quem ganha até R$ 3.881,65 ficaria isento de pagar o tributo. “O valor atual é de R$ 1.903,98. Desde 2016, não há correção da tabela”, pontuou a reportagem.

O portal Poder 360 mostrou que a defasagem da tabela do IR supera a marca de 100% pela primeira vez e que, com a correção, a isenção passaria de 10 milhões para 20 milhões de brasileiros. O site da revista Veja destacou que, segundo o Sindifisco Nacional, a defasagem na correção da tabela “leva a um efeito cascata que não apenas aumenta o imposto descontado na fonte como diminui as deduções”.

O portal Metrópoles compartilhou conteúdo do Estadão, demonstrando que a não correção da tabela pelo índice de inflação faz com que o contribuinte pague mais Imposto de Renda do que pagava no ano anterior. “Apesar da promessa de campanha eleitoral do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de aumentar a faixa de isenção, o ano virou sem a correção da tabela”, pontuou a matéria.

Outros veículos, como Estado de Minas, Diário do Comércio, A Gazeta e Jornal Extra, também deram manchetes sobre o estudo do Sindifisco, ressaltando o prejuízo aos contribuintes brasileiros por causa da defasagem da tabela do tributo.

0 respostas

Deixe uma resposta


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *